Revista Intellector - ISSN 1807-1260 - [CENEGRI] https://revistaintellector.cenegri.org.br/index.php/intellector <div id="group"> <h4>Revista criada pelo Centro de Estudos em Geopolítica e Relações Internacionais (CENEGRI) em 2004 com o objetivo de fornecer uma visão brasileira e latino-americana da Geopolítica e das Relações Internacionais. </h4> <h4>Editor-Chefe</h4> <div class="member"> <ul> <li><a>Dr. Charles Pennaforte</a>, Universidade Federal de Pelotas (UFPel)/Centro de Estudos em Geopolítica e Relações Internacionais (CENEGRI), Brasil</li> </ul> </div> <div class="member"> <ul> <li><a>Dr. Marcos Antônio Fávaro Martins</a>, Universidade Paulista (UNIP)/Centro de Estudos em Geopolítica e Relações Internacionais (CENEGRI), Brasil</li> </ul> </div> </div> <div id="group"> <h4>Editores-Assistentes</h4> <div class="member"> <ul> <li><a>Dr. Vitor Stuart Pieri</a>, Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ)</li> </ul> </div> <div class="member"> <ul> <li><a>Dr. Ricardo Luigi</a>, Universidade Federal Fluminense</li> </ul> </div> </div> CENEGRI (Centro para Estudios de Geopolítica y Relaciones InNternacionales pt-BR Revista Intellector - ISSN 1807-1260 - [CENEGRI] 1808-0529 <p>A Revista Intellector permite ao Autor manter os seus direitos autorais de publicação sem restrições.</p> <p><label class="control-label" for="copyright">INTELLECTOR JOURNAL allow the author to hold the copyright and retain publishing rights without restrictions.</label></p> Editorial #36: Apresentação ao leitor https://revistaintellector.cenegri.org.br/index.php/intellector/article/view/362 <p>Apresentação ao leitor</p> Charles Pennaforte Copyright (c) 2022 Charles Pennaforte https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2022-04-27 2022-04-27 18 36 01 01 10.5281/zenodo.6496419 A internacionalização do RMB diante do controle sobre o sistema financeiro chinês https://revistaintellector.cenegri.org.br/index.php/intellector/article/view/357 <p>Pós-crise de 2008 a China iniciou um processo de internacionalização de sua moeda, o Renminbi (RMB), visando estimular reformas domésticas no setor financeiro,impulsionar exportações e investimentos. Foram estabelecidos acordos de <em>swap</em>cambial, criado sistema de pagamentos internacionais específico, e o RMB incluído na cesta de moedas do FMI. Contudo, desde meados da década de 2010, a trajetória de internacionalização do RMB tem apresentado dificuldades para seu avanço. Neste trabalho, o nosso objetivo é analisar essas dificuldades.Argumentamos que fatores externos e internos contribuem para compreender dificuldades de internacionalização da moeda: externamente, o papel desempenhado pelo dólar, que se mantém central com redes de externalidades reproduzindo sua força como moeda internacional; domesticamente, a opção da China por manter o controle de sua conta capital dificulta a inserção externa do RMB. Concluímos que a China tem sacrificado a internacionalização do RMB com vistas a manter o controle sobre o seu sistema financeiro.</p> William Daldegan Ana Tereza L. M. Sousa Copyright (c) 2022 William Daldegan, Ana Tereza L. M. Sousa https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2022-04-27 2022-04-27 18 36 02 14 10.5281/zenodo.6491336 Crise humanitária na Venezuela: uma reflexão sobre a rede de atendimentos dos fluxos venezuelanos em Roraima https://revistaintellector.cenegri.org.br/index.php/intellector/article/view/358 <p>A presente pesquisa aborda a temática da crise humanitária decorrente da crise política e econômica, evolucionada de modo incremental na Venezuela no período de 2010 a 2016/2017, refletindo sobre a rede de atendimento aos fluxos de imigrantes venezuelanos em Roraima. O presente estudo tem por objetivo mostrar que essa rede de atendimento foi estabelecida através de um Acordo de Cooperação Técnica bilateral entre o Ministério de Desenvolvimento Social e o Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados (ACNUR), visando gerenciar as principais tomadas de decisões sobre a crise migratória da Venezuela no Brasil. A metodologia se fundamenta em uma revisão de literatura, de caráter descritivo exploratória, com a abordagem qualitativa e análise de conteúdo. Sendo assim, comprovou-se que o controle vigente realizado pelo ACNUR é necessário, porém insuficiente, para identificação e o cadastro biométrico dos abrigados, emissão de carnês, segurança, distribuição de alimentos nas refeições, distribuição de kits de limpeza e higiene, além de outros itens de primeira necessidade, impulsionando e apoiando a organização comunitária, divulgando informes, coordenação das barracas disponíveis para acomodação das famílias e pessoas, seja nos dormitórios ou em barracas, sempre visando a coordenação geral dos abrigos.</p> Kelma Cristina da Silva Wendling Francisleile Lima Nascimento Elói Martins Senhoras Copyright (c) 2022 Kelma Cristina da Silva Silva Wendling, Francisleile Lima Nascimento, Elói Martins Senhoras https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2022-04-27 2022-04-27 18 36 15 27 10.5281/zenodo.6492050 A concepção travassiana e a sua importância para a organização territorial do Brasil https://revistaintellector.cenegri.org.br/index.php/intellector/article/view/360 <p>O objetivo do artigo é o de avaliar as condições e a atualidade do pensamento geopolítico de Mário Travassos enquanto método de interpretação da implantação da infraestrutura viária e energética na América do Sul. A escala de analise adotada é a continental e, o recurso a bibliografia autorizada demonstra que as contribuições travassianas continuam atuais para a interpretação do desenvolvimento territorial da América do Sul. Conclui-se também que o comércio de hidrocarbonetos, em paralelo com a implantação da infraestrutura, é um dos vetores do processo de integração sul-americano.</p> Marcos Antônio Fávaro Martins Copyright (c) 2022 Marcos Antônio Fávaro Martins https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2022-04-27 2022-04-27 18 36 28 44 10.5281/zenodo.6492324 “O interesse por um presente que é seu” : O tempo-presente da Política Externa e os desafios para a escrita da História https://revistaintellector.cenegri.org.br/index.php/intellector/article/view/361 <p>Este ensaio discute algumas possibilidades de reescrita da História da Política Externa no tempo-presente, considerando os sentidos de ruptura expressos por diferentes atores e, ao mesmo tempo, autores da cena política brasileira contemporânea. Em diálogo com a História do Tempo Presente, apontamos como as incertezas e os retrocessos observados desde 2019 estimulam novas leituras sobre o passado, num constante processo de construção, reconstrução e disputa entre Memória e História.</p> Mateus José da Silva Santos Santos Copyright (c) 2022 Mateus José da Silva Santos Santos https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2022-04-27 2022-04-27 18 36 45 51 10.5281/zenodo.6496216